segunda-feira, 16 de maio de 2011

Em breve.

E ela tentou dizer o que sentia. Ele fingiu não entender. Ela se enfeitou, ensaiou falas e repetiu na frente do espelho milhões de vezes, bem baixinho: eu quero você, eu quero você. Ele ignorou o sentimento. Ela cansou de tentar fazer tudo dá certo. Ele continuou a vida.

Ela continuou a vida. Mas nunca achara alguém como ele. O amor não é isso. Quem já se viu gostar de alguém que não sente nada por ti? Querer cuidar de alguém que ignora seus cuidados? Isso pode ser tudo, menos amor. A gente cria algo pra não sentir-se sozinho. A gente imagina situações que é pra vida ganhar um pouco mais de cor. Imaginamos tanto que acabamos acreditando na nossa imaginação. Aí perde a graça imaginar. Imaginar pra quê? 

Ela continua a vida, continua imaginando e sentindo aquele amor. Em breve ela achará alguém, não vai ser como ele, vai ser bem melhor do que ele.

3 comentários:

  1. Perdoe-me pela ausência, tive alguns problemas. Agradeço sua última mensagem. Gostei muito do novo visual do blog. Parabéns!
    Li algumas postagens mais recentes e tenho a impressão de que aquele assunto que tanto lhe afligia está sendo superado, ainda que por momentos sofra algumas recaídas. Suas perguntas e respostas nessa postagem lhe cunduzirão à mais uma etapa de sucesso. Acredito que o amor seja algo construído entre pessoas, não isoladamente. Podemos sentir misantropicamente afeição, paixão, admiração, mas amor não. Toda essa trajetória te dará bons resultados, desde que saiba compreênde-los. E vai ser "bem melhor do que ele", não tenha dúvidas, pois irá te corresponder e não há nada melhor que isso.
    Sim...! Visitei sua página no fotolog. Legal!
    Beijo, Raíssa!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom usar terceira pessoa! rs.

    ResponderExcluir